segunda-feira, 15 de outubro de 2018

ESTRADA


dia comum,
como qualquer outro nesta
escalada de vozes.
pé na estrada,
larga,
longa,
que oferece sombras estreitas, 
desfeitas
e poeira constante...
nada a construir, a
sonhar, sequer.
seguir este caminho:
afinal,
o dia chegará...








segunda-feira, 10 de setembro de 2018

ASSIM




Nunca teremos a estatura
que nos agrade. Nem
tão perto do chão sobreviveremos.

Caminhar pela vida, pelos
anos passados, pelos sonhos
ainda não esquecidos.

Mesmo no clamor desta
batalha.

Mesmo com este vendaval
que nos turva o olhar.

Mesmo que!...





quinta-feira, 6 de setembro de 2018

SE !




Se este sol não me
batesse assim na
cara.
Se este vento não me trouxesse
recordações.

Se o tempo fosse mais que
suficiente,
parece,

teríamos uma chance...

Se!








terça-feira, 4 de setembro de 2018

A VIDA


A vida,
diária e insistente,
é bem mais
intensa do que
sentimos,
é bem mais
delicada do que
os cuidados que lhe
dispensamos.

Ela é muito mais
presente do que
sabemos...

Ainda há tempo?



quinta-feira, 23 de agosto de 2018


SOPHIA  DE MELLO  BREYNER  ANDRESEN




Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
que escorreram na casa e no jardim.
Continuam as vozes diferentes
que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade.
E através de todas as presenças
caminho para a única unidade.











segunda-feira, 13 de agosto de 2018

MILTON NASCIMENTO


CAIS



Para quem quer se soltar
invento caís
invento mais que a solidão me dá.
Invento lua nova a clarear,
invento amor e sei a dor de me lançar.
Eu queria ser feliz
Invento o mar
invento em mim o sonhador
Para quem quer me seguir
eu quero mais
Tenho um caminho do que sempre quis
e um saveiro pronto pra partir
invento o cais
e sei a vez de me lançar.




sábado, 11 de agosto de 2018

RENATA CORREIA BOTELHO





Tens um pingo de água
na face, lembrando
os verões de nossa infância,
ternas baías de abrigo
para os pés, andarilhos, da memória.

No mar, a mãe disse, um dia,
não vás tão longe, meu amor.

Foi quando percebi que há colos onde vivemos
a vida inteira.



sábado, 28 de julho de 2018

ROSA MARIA CHAVES JUÁREZ - (GUATEMALA)




gosto de beijar cicatrizes
ali onde a pele se faz mais forte
ali onde as lembranças são visíveis
cicatrizes de todas as formas e tamanhos
pequeninas sobre os lábios
nos parpados, nas miradas,
gosto de beijar corpos mapeados
riscados pelos fios do destino.
gosto das cicatrizes
porque ali a dor encontra sua forma
crescendo novamente a pele
exatamente onde houve sangue, onde houve ferida.





quarta-feira, 25 de julho de 2018

FINGIR



é minha sombra esta pálida imagem
neste pobre espelho?
são minhas as palavras
que ouves neste
triste declamar?
é tua
a ausência que sinto neste momento...

é fingir sorrir quando quero
chorar!



segunda-feira, 23 de julho de 2018

VENTO



Veio como vento no descampado,
forte e quente,
e desmanchou tudo o que o
vento
sempre desmancha!

Só não desmanchou o que sinto
por ti...

Não há forças na natureza para isso!!!