sábado, 17 de fevereiro de 2018

LUAR



Os restos de meus sonhos,
se é que existiram,
desapareceram com o luar
de ontem.
Nublaram-se as esperanças
e a chuva que cai
será duradoura.

A previsão do tempo
não erra...



5 comentários:

Teca M. Jorge disse...

A única que não morre é a esperança!

Grata pela visita final.

Um beijo

Graça Pires disse...

Às vezes erra, meu Amigo. E o improviso de viver? E aquilo que acontece sem que a gente espere? E o sonho que sempre nos arrasta?
Uma boa semana.
Um beijo.

Luísa Fernandes disse...

https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
Olá Alfredo, passei por aqui e observei...os sonhos desapareceram com o luar de ontem, mas as previsões não erram. Interessante poema!...Gostei, obrigada.
Se quiser visitar-me eu agradeço, fica aqui o meu link.
Luisa Fernandes

Valéria disse...

Poeta,
sonhar é preciso!
Tudo passa, tudo modifica...
por isso, sonhar é preciso...
Valéria

Jaime Portela disse...

Às vezes é assim, mas nem sempre.
Magnífico poema, parabéns.
Continuação de boa semana, caro Alfredo.
Abraço.