terça-feira, 16 de janeiro de 2018

GEOGRAFIA



Na vastidão dos
campos deste país,
almas enclausuradas
sobrevivem sem voz...
Entre elas, meu sangue
corre,
grosso e morno
em busca de ti,
que é uma pequena ilha,
desabitada...



quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

DINHEIRO




todo o dinheiro do mundo
compra toda a felicidade
deste mesmo mundo.

há quem assegure,
no entanto,
que ainda tem troco...



sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

OUVINDO BOWIE



Ouvindo Bowie,
Clapton, Chico também, manhã
ainda...
Voam os pensamentos.
Voos sem escala,
por um tempo de magia
em que os sorrisos eram fartos e fáceis.
E não custavam nada,
além de se ter os olhos ingênuos,
quase.
Ah! Por quê se fez o vento?
Falo dos ventos fortes...
Despenteiam cabelos,
levantam poeiras e
espantam verdades.
Tênues verdades...



segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

CONVERSAS



Falo comigo mesmo.

Diálogo impossível para 
um só argumento,
sem divergências, sem
concordâncias...

Conversa indiferente,
inusitada,
inútil.

Me calo!!!





quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

TE SEGUE





Segue teus passos quem, incauto,
teus versos não leu,
quem, ausente, não bebeu do teu olhar,
não sentiu o sabor, amargo, desta taça em que pousaram.

Segue teus caminhos, desatento,
quem não mede teus gestos,
quem não sente tuas asas,
quem não sabe chorar.

Segue teus dias quem, em desalento,
se deixou amordaçar,
quem, ferido,
já não sabe voar!



Postado originalmente em 14/11/2009







terça-feira, 12 de dezembro de 2017

PABLO NERUDA





Foi nessa idade que a poesia me veio buscar
Não sei de onde veio
Do inverno, de um rio
Não sei como nem quando
Não, não eram vozes
Não eram palavras
Nem silêncio
Mas da rua fui convocado
Dos galhos da noite
Abruptamente entre outros
Entre fogos violentos
Voltando sozinho
Lá estava eu sem rosto
E fui tocado.






sábado, 9 de dezembro de 2017

LYA LUFT - DESATINO



(Do livro A casa inventada - LYA LUFT)


A vida, como a ficção,
é um teatro de desatino.
Meus personagens:
amantes, suicidas, sonhadores,
seres rastejantes, criaturas aladas,
simples humanos,
- crianças e seus segredos.
O bem, o mal, o riso, o esgar,
a procurada morte,
a sorte,
a sombra.
(Na beira do palco, como estrelas,
penduro palavras: esse
é o meu destino).




sábado, 2 de dezembro de 2017

ROMANCE




Nem sempre o
coração
fica tão perdido, sem
respostas.

Ninguém nunca
perguntou
se existo, sequer!

Agora,
quando me perguntas
tudo,
parece que te
encontro.

E a mim também...



quarta-feira, 22 de novembro de 2017





Relembra-me...

e terás um sorriso na boca
e um brilho nos olhos
que se transformarão
no melhor momento

deste dia...

Quem sabe de toda a vida!!!





A.C. Rangel



domingo, 19 de novembro de 2017

HERANÇA



Este é o velho trem
que no passado levava,
sempre,
muitos sonhos,
muita esperança,
muitas desilusões.

Espalhava sentimentos.
enquanto engolia trilhos.

Deixou herdeiros quando
parou definitivamente de
rodar.
Do seu testamento recebi,
sozinho,
todas as desilusões!