domingo, 30 de dezembro de 2012

Surpreendentemente!


Peça o que você sabe 
que quer. 
E eu te darei tudo o que
vai além,
o que, decididamente,
te surpreenderá...

E tudo não é tão pouco
a exigir?

A surpresa excede.
É tudo e ainda
um pouco mais...


ilustração: origami obtido no blogue atelietribodejuda.blogspot.com


sábado, 22 de dezembro de 2012

Saudade


Nada assusta ou atormenta,
um coração que espalha,
mesmo em restos de olhar,
ternura e carinho, o amor
que o tempo espera e que o
vento em saudade transforma.



ilustração: google imagens

sábado, 15 de dezembro de 2012

Defeitos


se perfeito fosse, meu não seria.
meu não seria sem trincado,
ao menos,
sem ondulações e ruídos.
chiados e distorções
me agradam e perseguem,
como se reparar ingratidões
missão minha fosse.
e assim, conformado, busco
e tenho o inconformado...
conserta-se!



ilustração obtida no google imagens 

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Cidade etérea


Não é minha esta cidade.
Quem por ela passa
não sente meu respirar,
nem chora pelos crimes
que nunca  cometi.
Quem nela ainda vive
jamais comigo cruzou,
nem comemora os dias
que aqui nunca passei.
Não é minha esta cidade
e nem sua, também!


ilustração: ultradownloads

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Raiça Bonfim - uma homenagem


Quando vi sua hesitação, eu já sabia
É que tenho jeito de moça pura
e cara de mulher vadia

Por via das dúvidas, você, cauto,
convidou:
que tal um sorvete e alguns livros de poesia?

Adorei a ideia.
Linda tarde a nossa

Quando veio a noite, sugeri qual uma dama:
que tal uma cachaça nas curvas de uma cama?

Pra nossa delícia, baby
meu prazer tem mais vias que suas dúvidas.



ilustração: Artes plásticas - Portal do aluno - ifpenews.blogspot

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Lugar


É! Hoje sinto que precisava
de um lugar assim.
De uma praia deserta,
como só a vida pode ser
e de todo pôr-de-sol
que eu pudesse ter.
Perder meu olhar naquele
horizonte, repousar ali estes
olhos cansados,
dividir com o mar todas as
dúvidas e incertezas que
há muito tenho colecionado.

E ficar mesmo sem nada
entender.
Como tenho feito em todas
as tardes desta vida.


ilustração: Google images

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Pacto de silêncio


Bom estar em silêncio
contigo.
Mesmo que sempre.
Ser brisa tão fresca em
deserto de palavras.
Cantar cada letra de nossa
mudez.

Estar contigo sem
palavras.
Olhos falam,
sempre,
mais e melhor
que os verbos!



ilustração obtida no Google images

sábado, 1 de dezembro de 2012

Maremoto


Do pequeno porto, parti,
barcos e barcos atrás,
incontáveis marés e ondas,
no tombadilho que
me coube guardar.
Tempestades e calmarias
seguidas,
latitudes e longitudes
atingidas e o sal
que não seca.

Saudades da água doce.
Saudades da vida.


ilustração: Google imagens

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Solidão, vizinha


A solidão e o vazio que a representam
moram parede-e-meia comigo.
Silenciosa, quase não ouço dela sinais de vida.
Ela mal balbucia palavras.
Sequer, como cheguei a imaginar,
arrasta correntes pelo chão.
Mas invade meu peito quando
saudosa de mim.

E doi... Eu garanto!

Companheira preferencialmente noturna,
chega sempre para ficar.
Não faz visitas rápidas, cordiais.
Parece ter afinidades especiais comigo.
Parece adorar minha casa,
minha companhia.

Só não suporta você.
Odeia te ver comigo.
Foge daqui quando estás presente.
Vem!!!



Ilustração:  google images

domingo, 25 de novembro de 2012

Ardem ainda


Ardem as pedras, mesmo distantes,
como se ateado o fogo
ainda agora.

Acentuam sabores de
fomes apenas temporariamente 
saciadas, de gestos imprecisos,
mapas rasgados,
porque vencidos.

Guardam suores de corpos famintos,
de desertos perenes, distâncias
infindáveis,  de prazeres possíveis.

Sacia tua sede.
Ainda é de manhã...




ilustração obtida no Google imagens

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Águas agitadas


O vento que impulsiona as
agitadas águas deste oceano
é o mesmo que desalinha
teus cabelos, o mesmo que,
à noite, arrefece o calor dos dias
deste janeiro, o que varre 
as cidades de suas poeiras e
velhos papéis.
As águas deste oceano, agitadas,
arrastam invisíveis barcos,
para invisíveis portos, em
tão sonhadas novas terras.

Fecha-se assim o ciclo da
tão desejada felicidade...



ilustração obtida no google images

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Quem vai roubar este sonho de mim?


Caminho e nem percebo o caminho.
Nem rostos ou carros ou cães de rua.
Nem caminho: voo, deslizo, escorrego.
Quem vai roubar este sonho de mim?
Piso nuvens perfumadas, iluminadas
nuvens. Sou imenso, imbatível.
Quem vai roubar este sonho de mim?
Distribuo coragem e força e sorrisos.
Nem caminho: deslizo, escorrego, voo.
Asas abertas, alma lavada, sou imenso.
Quem vai roubar este sonho de mim?




ilustração retirada do google images

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Partir


Partir se faz urgente quando,
tão distante o sonho embalado
no calor do horizonte já não
consegue suportar distâncias,
quando a boca seca e não se
pode mais engolir passados.

Partir se faz urgente quando
os teus olhos, embaçados,
não conseguem mais chorar.




ilustração retirada do google images


sábado, 10 de novembro de 2012

Tempestade


Chovia muito quando partistes.

Corre o rio,
caudaloso
depois da tempestade.

Morre meu coração,
depois da tempestade.




ilustração obtida no Google imagens

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Teu cais


Este desejo que
me arrasta e faz
de ti porto distante,
vence mares, tempestades
e aporta
livre em teu cais.

Cuida desta nau,
desta viagem,
acolhe o passageiro
solitário
que desembarca
para ficar!



ilustração obtida na internet

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Ah! Como eu queria...


Queria gritar, de repente, todas
as palavras que não conheço,
deitar minha voz na fonte
perene dos sonhos calados,
viajar os caminhos de pés
tão marcados, sorrir o sorriso
dos que, ingênuos, só sabem
viver. Queria o sonho de ver no 
horizonte, um sol de sentidos,
de luzes e cores que meus
olhos cansados não pudessem
jamais esquecer...



ilustração obtida no blog lixoeluxo.blogspot

domingo, 4 de novembro de 2012

Tua ausência


Compor tristes melodias
no dorso da tua alma,
em manhãs tão frias, tão
calmas. E saber que a tua
ausência ocupa todo o
espaço que meu dia tem.




ilustração retirada do blog whispersintheattic.blogspot

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Pássaros noturnos


É sempre assim
quando a noite chega.
Os pássaros,
aqueles noturnos,
começam a despertar
e na penumbra
buscam árvores
e vidas, 
tristezas e amores
desfeitos,

de que se alimentam.



ilustração obtida no blog olharmacro.blogspot

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Refutação do tempo - JORGE LUÍS BORGES


Para me lembrar de um imperdoável erro

"O tempo é a substância de que sou feito.
O tempo é um rio que me arrasta, mas eu sou o rio;
é um tigre que me destroça, mas eu sou o tigre;
é um fogo que me consome, mas eu sou o fogo".



Imagem obtida no google imagens

domingo, 28 de outubro de 2012

Aridez


Crua poesia,
bruta, dolorida,
necessária.
Palavras expostas,
gritadas, choradas,
buscando regaços.

Estranha poesia,
dormente, indócil,
brotando
em terra tão árida.



ilustração obtida no blogue scarcelyeverything.blogspot

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Direções


Perdi caminhos, direção
comecei a vagar sem norte,
a me descontrolar...
Já não sei das distâncias,
dos portos, dos rumos,
locais, endereços...
Diz-me onde estás,
onde vou te ver.

Afinal, você sabe, só
nos teus olhos, sempre,
é que vou me encontrar...



ilustração obtida no canstockphoto.com

sábado, 20 de outubro de 2012

Busca, sempre


Essa mulher, cabelos ao sol,
que caminha em busca da vida,
ferida quase de morte dos sonhos,
tem os olhos vermelhos
e o coração quase vivo.

Essa mulher, de pisar firme de
passos inseguros,
chora à noite e molha travesseiros
e dorme aos sobressaltos e só.

Em pé, bem cedo pelas manhãs,
retorna ao seu caminho e caminha,
tropeçando na vida...


ilustração obtida no mmatiuzzi.zip.net

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Sonho de uma noite de quatro estações.


Tua imagem eu construo
e desarmo quando
você bem entender.

E tenho tudo e
compartilho com a noite,
com o dia e com você.

E chovem sinais e
vida, estranha vida,
como nunca foi igual.

Não paro, nem penso,
eternizo e proponho,
jamais encerrar
este sonho!


ilustração obtida  no splenbored ... lobo-da-noite

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Anoiteceu


Anoiteceu!
E você não veio.
Não chove, não faz frio,
Há uma lua cheia prateada,
brilhante...

Não importa,
não faz diferença...

Você não veio!


ilustração obtida em paratyonline.com

sábado, 13 de outubro de 2012

Cara!



Para Silas Badia


Cara! A quanto tempo a gente não se fala.
Parece mais de um século.
Até acredito que um século
não é tanto tempo assim.
Mas não para os amigos não se falarem...
É a vida corrida, eu sei.
Tantos compromissos, tanta responsabilidade.
Corre tanto a vida que a gente nem percebe.
Quando vai ver, cara, já é tarde.
Ela passou carregando todos aqueles sonhos.

Sonho, cara, é tudo aquilo que os
adultos sábios chamam de inocência, ingenuidade.
A vida, para os sábios, é
muito menos que sonhar...
É seguir uma receita de vida que,
de tão boa,
antecipa a morte!
Você, como eu nunca foi sábio, cara!

Nunca mais nos falamos, cara.
Nem vamos nos falar...



ilustração retirada do f-five.tumblr.com

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Perdidos


Não têm mesmo parada
os teus chinelos, como os meus dias,
abandonados sempre em locais
diferentes.
Tuas toalhas de banho seguem
os mesmos caprichos dos chinelos,
só que nunca deixados
próximos uns dos outros,
como se, ao contrário de nós,
não se entendessem.
Desapareceu novamente aquela
escova de cabelos que eu havia
encontrado ontem, depois de você
dar pela falta dela novamente.
Os brincos que você usou
na festa de sábado
permanecem desaparecidos.
E corres agora,
porque perdestes as horas...

Só não perdes mesmo estes olhos
lindos, tão claros como um
amanhecer na praia
e o imenso amor que tenho 
por você...


ilustração obtida na inernet

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Contradição


É esta mesma estranha
e cruel distância,
que me afasta dos olhos
que quero,
que me aparta do calor
que preciso,
que me mantém vivo,
que me desafia e que
me permite sonhar!



ilustração: Caminhos - Alfredo Munhoz

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Amo você!


Acho que estou ficando
repetitivo
ou meu vocabulário
ficou pequeno demais.
Só digo eu te amo!

Não importa,
meu amor por você
só aumenta.

Ainda sei dizer
as palavras que gosto...



ilustração obtida no dicionário1.png


domingo, 7 de outubro de 2012

Você já sabe


Você já sabe tudo de pedras
e de seixos,
ladeiras, bofetadas, solidão...
Não preciso te ensinar.

O fim-do-mundo como vizinho,
chuva de vento contra,
soco em ponta de faca...

Exatamente como eu.

Bom! muito bom!
Prazer em te encontrar...


ilustração: fogo no edifício Joelma em SP

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Colheita


A vida teimosamente se repetia,
fazendo com que eles sentissem
das tardes o mesmo sabor que
sentiam os antepassados.
E as velhas aflições também
se repetiam.
Haviam as festas também.
Comemorações e celebrações
pelas vitórias, fossem nas lavouras,
fossem na vida ou da certeza
da presença do sol aquecendo
as demais incertezas,

Era assim a vida.
Como é até hoje!



ilustração: Colheita do cacau - Nerival Rodrigues

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Anjos caídos!



São assim todos os anjos,

parecidos conosco. E
embora anjos, como nós
também têm deslizes. E
pagam por isso...


Mas, assim como nós,

estão sempre dispostos
a assumir novas dívidas...



ilustração retirada do justopelosangue.com

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Tempo único


e chega o tempo sim
em que se perde todo o peso
e a pressa parece ser
encargo dos outros.


não há mais sentido

nos menores,
nos mais simples movimentos,
inúteis, supérfluos.


um tempo único

que separa o nada do
passado,
a vida do sonho...




ilustração obtida no blogue triunfofinanceiro.blogspot

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Liberdade



Desafia novamente a força de teu algoz.

Não se espera do mundo carinho e proteção,
sem que seus preços sejam cobrados.
Sorria e contradiga tudo o que te pareça irreal.
Eleve tua voz.
Não há sonho sem dor prévia, 
nem castigo que não mereças.
Saia ao sol e abomine todos os falsos presentes
que recebestes...


Dá, enfim, teu grito de liberdade!!!





ilustração retirada do manifestossa.blogspot

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Café da manhã


ansiedade por dormir,
trocar realidade por, mesmo
que embaçados, sonhos,
dos quais eu não queira fugir.
voltas e voltas na cama,
infindáveis, eternas
e o despertar de rotina...

na boca o gosto de mel
e o mais poderoso veneno,
acolhendo o tapa do dia no rosto
e seu clarão na janela,
amargo café da manhã...


ilustração retirada do blogue coffeanddreams

sábado, 15 de setembro de 2012

Disfarces em versos



Para onde foram aqueles versos,

meus versos assustados,
franzinos, covardes?
Certamente romperam distâncias
e na ânsia por fugas,
ultrapassaram limites, divisas,
fronteiras, incógnitos, cobertos
de disfarces e forçados sotaques.
Andaram estradas, caminhos, trilhas
e vazantes e a soma destes instantes
modificaram nuances e rimas.
Não mais os localizar soa prudente,
maduro.


Deixa que repousem no escuro...





ilustração obtida no alquimiasubmersa.blogspot.com

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pelo resto do dia!


Amanhece lentamente.
Como que a não querer, o dia, 
irromper de forma deselegante,
permitindo que os sonhos
da noite deixem o quarto
sem atropelos,
naturalmente e com calma...

As ideias vão também vagarosamente
ocupando o lugar dos  sonhos
mostrando que a realidade,
com suas cores berrantes,
é quem reina sobre tudo.

Lembranças do sonho persistem.
Estranhas, doces, misteriosas.
Mesmo despertos, lutamos ainda um tanto
para não deixá-los ir.
Vontade de agarrar-mo-nos a eles,
apenas pelo resto do dia...


ilustração obtida no wikipedia.org

domingo, 9 de setembro de 2012

Outono, já!


Ainda dentro do outono treme
aquela voz, segura, potente que
num tom entre acusador e grave
determina passos, os últimos,
a serem dados, seguidos.
Antes ouvir, calar, que esquecer.
Não há mais tempo para discórdias.

Não há mais tempo!



ilustração retirada do blog alineescreveaqui.wordpress

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Miragem ( IRA BUSCACIO )


Poesia de IRA BUSCACIO do blogue FACES DO POEMA (www.irabuscacio,blogspot.com)


MIRAGEM

O que ele vê
agora que me tornei despresença
na festa febril dos homens,
sem paisagens habitáveis
que mereçam um olho?

O que ele vê
agora que só tenho bondade,
onde antes habitava morte,
e o desejo ensaiava funerais
com dores belíssimas?

O que ele vê
agora que sou impulso trancado,
enquanto o tédio me lambe a boca
e as paredes maníacas dessa caixa
nada temem de solidão?

O que ele vê
agora que o barco já vai longe...longe!
e a menina apagou-se no cais,
dia após dia agitando o choro
como quem lava a face suja de dor?

Miragem!

Mas o que ele não vê
é uma diabólica serpente fingindo-se de morta!



ilustração retirada do blogue belasimagens.zip.net

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Aquela velha casa


Permanece ainda lá a casa
daqueles tempos, com a
pintura daqueles tempos,
descascada, ruça, como o
tempo quis, o portão tão feio,
de madeira tão resistente e
a varanda cansada de tanto
aguardar chegadas.

Diferente apenas pelo vazio
estranho e pelo excesso de
pó que o tempo ali guardou.

Estão lá os corredores, com-
pridos como antes, sinistros 
como sempre, desembarcando
silenciosamente em cada velho
cômodo.

Ouvem-se, ainda, se dada a
devida atenção, os gritos,
sorrisos e choros das crianças,
hoje crescidas, que herdaram,
sem ao menos perceberem, a
alma que a casa tinha...


ilustração retirada do blogue imagenscompoemas.blogspot

sábado, 25 de agosto de 2012

Vida minha


Este vazio, esta estrada
e a chuva,
repentina, inesperada,
um alerta...
E os sorrisos das pedras,
lágrimas alternadas,
incertezas da
vida, feridas...
E o vento,também  incerto,
escuridão tão perto,
sorriso de criança...

Vivendo!



ilustração obtida em archdaily.com.br

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Fé!


Queria sorrisos de sorte,
olhares de sonhos, azuis de
manhãs.
Notícias cantadas, sedosas vozes,
mãos de cumplicidade e
encanto.

Queria ventos frescos,
confortáveis, carinhosos,
arrefecendo desertos.

E poesia nos lábios, sabores
de mel... Queria...

E, apesar de tudo, ainda
não desisti!


ilustração obtida no rbg1.blogspot

sábado, 4 de agosto de 2012

Desejo de nada ( LAUREN MENDINUETA - poetisa colombiana )



Ainda é cedo.
Mil noites caíram sobre a terra
e outras mil caíram antes destas,
mas ainda não é tarde.
O vento envolve a casa com tanta força
que se diria ser uma mãe apaixonada.
Mas o vento não pode amar.
Tenho medo.
O mar não está longe daqui
e eu sou a mesma areia. sobre a qual caem
furiosas e incontidas ondas.
Mais adiante, no centro do temporal,
meus olhos buscam as razões de tanta ira.
Tenho vontade de chicotear a noite
até vê-la sangrar.
Desejo, até o infinito,
possuir algo que jamais se entregue.






Tradução livre.
Ilustração retirada do site hi5.com

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Cuidado!



Deste lado da vida
as cores, nem todas,
costumam ser desbotadas.
Nem sempre o dia amanhece,
nem a noite é estrelada.
Deste lado da vida,
acredite, nunca chove
e os dentes dos cães
estão sempre à mostra.
Deste lado da vida
habitam apenas seres
estranhos, todo tipo de
insetos rasteiros e
poetas!!!




ilustração obtida no blog nirvanaexpansive.blogspot

terça-feira, 24 de julho de 2012

Sou



Sou assim mesmo.
Inegável meu jeito
em cada um dos meus
descuidados passos,
em cada letra que
escrevo, em cada olhar
desastrado que arrisco.


Sou assim mesmo.
De fala pouca e
imperceptível presença,
andarilho de minha
própria vida, parca
e inconstante, sou
assim mesmo.


Sempre!




ilustração obtina no blog edendaluxuria.blogspot.com

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Perguntas



Não são respostas que
busco, apenas.
Também, quem sabe,
perguntas.
Porque buscar,
insistir em querer
encontrar respostas
somente?


Respostas são sempre
mais fáceis de
se encontrar que
a pergunta inteligente,
decisiva!






ilustração obtida em grupoboiadeirorei.blogspot

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Um pouco mais que haiku de amor (David Teles Pereira - poeta português)


Tenho medido os dias a cigarros rápidos e imprecisos
fumados até o litoral dos teus olhos. Continuo...
no mesmo lugar de sempre, devolvendo
às cadeiras o sorriso emprestado pela familiaridade
dos seus gestos tão pouco poéticos.


Tenho acertado os dias pelos copos que agora
estão -ou estarei eu?- vazios. Vai-me pedindo
mais um copo, que eu vou convocar
certos demônios no espelho da casa de banho e, depois,
beber um pouco de água opaca, lavar bem as mãos, secá-las
e regressar à mesa quatro minutos menos feliz.


Não morras nunca, digo-te, acrescentando logo a seguir
que, mesmo assim, não quero falar da morte,
muito embora -desculpa-me a insistência- 
o teu cabelo hoje me pareça mais preto que nunca.
Sorris.


É o que me vale, sabes sorrir tão bem.




ilustração tirada da internet

domingo, 8 de julho de 2012

Velho amigo


Para o meu grande amigo Dick...
Que decidiu ir.




porque estas lágrimas
esparsas, espessas,
profundas,
esta dor de punhal
por ocasos incompreensíveis
aos que te rodeiam.


porque sentimentos estranhos,
tantos, 
ao menos para pessoas,
aquelas normais.


cala em teu peito a dor.
lembra só tu daqueles momentos,
de silêncio e paz,
guardados agora.






ilustração obtida no blog alimentodafe.blogspot

sexta-feira, 6 de julho de 2012

O que peço ao dia - (Vicente Gallego)



O que peço ao dia já não é
que se cumpram os sonhos, que me entregue
cumpridos os desejos de outros dias,
porque enfim aprendi que os sonhos
são como as asas de um inseto:
quando lhes tocamos desfazem-se;
quando um sonho se realiza torna-se outra coisa
que não ajuda a voar.
O que peço ao dia começa a ser, aliás,
nais difícil ainda de alcançar
que sonhos realizados, porque exige
a antiga fé nos sonhos.
O que peço ao dia é simplesmente
um pouco de esperança, essa forma modesta
de felicidade.




ilustração tirada do blogdogibanet.wordpress

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Doce veneno



Toma minhas mãos entre as tuas
e, como quem cuida do céu,
deita meu corpo cansado.
Repousa minha cabeça em teu colo.
Fale baixinho de todas
as saudades que sentes.


É feito de doces palavras
o veneno mais forte que conheço!






imagem obtida no blog tainaalcantara.blogspot



domingo, 24 de junho de 2012

Tardia manhã



Esta semi-luz tão tênue
a indicar manhã tardia,
tão fria,
e esta distância de léguas
a sinalizar solidão
insistem em me fazer calar
e esperar
manhãs mais quentes,
sorrisos mais serenos e
largos espelhos
onde eu possa ser
acolhido...




imagem obtida no site enciclopédia.com.pt