sábado, 20 de outubro de 2012

Busca, sempre


Essa mulher, cabelos ao sol,
que caminha em busca da vida,
ferida quase de morte dos sonhos,
tem os olhos vermelhos
e o coração quase vivo.

Essa mulher, de pisar firme de
passos inseguros,
chora à noite e molha travesseiros
e dorme aos sobressaltos e só.

Em pé, bem cedo pelas manhãs,
retorna ao seu caminho e caminha,
tropeçando na vida...


ilustração obtida no mmatiuzzi.zip.net

10 comentários:

Célia Rangel disse...

... belo poema, no "seu dia - dia do poeta"! Parabéns!
E, assim vamos nas encruzilhadas e desvios da vida!
Abraço, Célia.

Solange disse...

ela não desiste nunca de encontrar o que nem mesmo sabe..

bjs.Sol

Sonia Schmorantz disse...

Essa e tantas outras, apesar de tudo, sobrevivem. Há sempre um novo sonho para sonhar, em qualquer dia, em qualquer lugar!
Feliz dia do poeta
um abraço

POR TODA MINHA VIDA disse...

Que belo exemplo de fortaleza ...Um grande abraço Pedro Pugliese

Anne M. Moor disse...

E SEMPRE levantando para ir em frente...

marlene edir severino disse...

Travesseiros molhados
podem secar ao sol
nas manhãs

Beijo, Rangel!

Tania regina Contreiras disse...

Que mulher de alma tão bonita!
Beijos,

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido Poeta

Que mulher cheia de força que descreves neste poema.
Que o amanhecer lhe traga sempre um novo sonho.


Um beijinho com carinho
Sonhadora

Valéria disse...

Rangel,
Mulher, linda!
Poema, lindo!
Retrata mtas brasileiras...
Vc é especial, vc é poeta.
Bjos
Valéria

Vivian disse...

...o importante é que ela
jamais desiste.

por isso é MULHER!

um beijo, alma linda!

bom dia, querido!