quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Direções


Perdi caminhos, direção
comecei a vagar sem norte,
a me descontrolar...
Já não sei das distâncias,
dos portos, dos rumos,
locais, endereços...
Diz-me onde estás,
onde vou te ver.

Afinal, você sabe, só
nos teus olhos, sempre,
é que vou me encontrar...



ilustração obtida no canstockphoto.com

12 comentários:

Ateliê Tribo de Judá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Por Amor disse...

Rangel meu amigo Querido que precioso poema ...Tão tocante e verdadeiro que me fez refletir... sobre tantos e tantos momentos esperas , caminhos e descaminhos ...Muito lindo amigo ...!!! Parabéns e um grande ..enorme abraço Pedro Pugliese

Anne M. Moor disse...

Que poema bemmmmmmmmmm lindo!!!! Amei... Meu poeta mor, você continua com o dom da palavra.

beijão
Anne

Igor Pedroso disse...

Olá, belíssima poesia.

Gosto muito dos seus escritos, fiquei um longo tempo ausente e pretendo o ler novamente sempre que possível.

Forte abraço e convido-te para ler uma poesia que fiz hoje.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Querido Poeta

Que esses olhos te iluminem e te indiquem o caminho da felicidade.
Sempre belos os teus poemas.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Sonia Schmorantz disse...

É linda!
abraços

Catia Bosso disse...

Romântico!!! Até mandei o link desse para o meu namorado ler... ele gosta de ler vc!!!


bjs

Catia

Cris Campos disse...

Rangel,

aos rumos que se perdem nada melhor que o lume dos olhos de quem se ama. Lindo! Gr. Bjooo!

Carlos Rímolo disse...

Caro amigo Poeta!!!

Perdoa-me a invasão do seu espaço, mas temos amigos blogueiros comuns.
Seu Blog. é maravilhoso como belíssimos seus textos. Adore lê-los. Já sou seu seguidor. Está de parabéns!

Beijos de luz!!!

POETA CIGANO - 25/10/2012

http://carlosrimolo.blogspot.com

D. Garcia disse...

Cá estou por indicação (Catia); poema que fala do amor que não perde a direção quando o espelho dos olhos da amada reflete a orientação que o coração dá. Muito bom. Abraços. Daniel.

Vivian disse...

...descanso meus olhos docemente no teus, e juntos voamos pelos prados verdejantes onde a
poesia vem brincar.

bj, meu poeta!

Fred Caju disse...

Viver não tem sentido.