sábado, 1 de dezembro de 2012

Maremoto


Do pequeno porto, parti,
barcos e barcos atrás,
incontáveis marés e ondas,
no tombadilho que
me coube guardar.
Tempestades e calmarias
seguidas,
latitudes e longitudes
atingidas e o sal
que não seca.

Saudades da água doce.
Saudades da vida.


ilustração: Google imagens

16 comentários:

Franco disse...

Oi!
Linda poesia,um pouco triste mas, ainda doce.

Um beijo.

Anne M. Moor disse...

Tua poesia fica cada vez melhor!

bjs
Anne

Anne M. Moor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Solange disse...

saudades da vida..que nem sempre é doce..

bjs.Sol

saudades de vc no meu parole, Fred..

Ateliê Tribo de Judá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Márcia Luz disse...

Toda saudade é líquida...

intervalo disse...

Quantas partidas ainda estão por vir,saudades da vida pulsando... louca tempestade...a calmaria doce demora a chegar no pequeno porto.Poeta,tuas poesias estão profundamente belas.Beijos meu.Lia...

Karine Tavares disse...

Parabéns pelo teu blog, é ótimo!
Vem conhecer o meu:

leiakarine.blogspot.com

Karine Tavares disse...

Parabéns pelo teu blog, é ótimo!
Vem conhecer o meu:

leiakarine.blogspot.com

LauraAlberto disse...

terás sido um marinheiro numa outra vida?

beijo

Lu Nogfer disse...

Gosto das aguas doces que desaguam nos mares salgados deixando a vida mais adocicada.

Saudades de você!

Beijos!

Graça Pereira disse...

Uma imagem lindissima com um poema teu mais maravilhoso ainda!
Saudades de ti...de uma amizade que começou prometedora e caiu no esquecimento...Tenho pena.
Venho desejar-te um Feliz Natal e que 2013, deixes de ter saudades da vida!
Beijo muito amigo
Graça

Tania regina Contreiras disse...

Um barquinho na solidão das águas tem cheiro de saudades...
Beijos,

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Querido Poeta

Um poema nostálgico como a vida que nem sempre é meiga.
Lindo ler-te a alma.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Gislane disse...

A gente sente saudades de tanta coisa: da vida, da fé, da água salgada, de nós...


bjos

Daniela Delias disse...

Querido amigo...fiquei profundamente identificada com o teu poema: mar de água doce! Beijos,carinho imenso, Daniela.