segunda-feira, 22 de agosto de 2016

JOSEPH S. COTTER



O  POÇO  NA  BEIRA  DA  ESTRADA



Um desejo interrompe meu passo junto ao poço da beira
da estrada.

Não é de beber, pois dizem que a água é salobra.

Não é de romance, pois um coração no fim da estrada me
chama.

Não é de descansar, pois que pés poderiam se cansar quando
um coração no fim da estrada marca o tempo com seus
passos?

Não é para meditar, porque o coração no fim da estrada é
alimento para o meu ser.

Eu vou perguntar ao poço sobre meu segredo jogando uma
pedrinha dentro dele,

Ah, está seco.

Ataco ligeiro a estrada com meus pés, pois corações são como
poços. Você não sabe que eles estão secos até que queira saber
sobre o que eles têm no fundo.

Desejos bloqueiam o caminho para o paraíso, e santos perdem
suas coroas.







Um comentário:

Carmem Grinheiro disse...

Há corações que escondem um nada imenso no seu fundo.
Mas o bom é saber que há um coração em plenitude à espera, no fim da estrada...

abç amg