sábado, 13 de fevereiro de 2010

Incômodo

De todos os silêncios
restou este ruído opaco,
incômodo,
porque é da minha vida...

De todas as palavras ditas
restou este murmúrio fraco,
incômodo,
porque é da minha vida...

De todos os olhares
restou este esgar de sentimento,
incômodo,
porque é da minha vida...
De todos aqueles momentos,
incômodos,
restou este vazio eterno
em que se transformou a minha vida!


Ilustração: pic20.picturetrail

21 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

AC Rangel
De todos os silênciosrestou este ruído opaco,incômodo,porque é da minha vida...

Eu estava mesmo com saudades de ler sua boa poesia, coisa linda aqui hoje, meus cumprimentos,
Efigênia Coutinho

Mahria disse...

De Incômodos é feito a nossa vida...
To levando, se permite, um pedacinho da tua poesia la para o meu cantinho. Porque eu Amo Simplesmentes tudo o que você escreve.

Beijos!
Mah (tua fã)

Serena Flor disse...

Fico um tempinho sem vir cá no teu canto e me bate uma saudade danada de ler estes poemas tão lindos.
Um milhão de beijos desta tua outra fã :)

Mahria disse...

Aaaah que bom que você foi, fico toda boba quando isso acontece, uma pena voce ter ido antes de eu publicar no meu ultimo post um pedacinho de você, volta la.

Bjinhos em ti
Mah

Anne M. Moor disse...

Rangel...

Tua poesia está cada vez melhor! Flui, e traz uma nostalgia sofrida no seu bojo...

Parabéns!
Beijos
Anne

Júlio Castellain disse...

...
Parabéns.
Abraço.
...

Nanda Assis disse...

ai como é triste viver de passado. a gente sofre muito.

bjosss...

Valéria disse...

Rangel,
saudades de vir aqui e ler coisas tão verdadeiras.
Parabéns!
Valéria

Wanderley Elian Lima disse...

Olá poeta
Como sempre nos encantando com seus escritos belos e sensíveis.
Bjs

Graça Pereira disse...

Lindo este poema talvez vestido com uma certa nostalgia e desencanto...mas o poeta é assim: põe a sua alma em cada palavra que escreve...
Tanto silêncio...porquê?
Fala, por favor, fala sempre,
porque mais terrível que o silêncio
é o medo da noite sem palavras.
Beijos com ternura e volta depressa.
Graça

Mline disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mline disse...

Para mim o silêncio fala mais que muitas ou poucas palavras...entretanto é preciso ter sensibilidade para poder interpretrá-lo.
Até mais

Mariana disse...

O que é a vida senão um incômodo?

Jac. disse...

Bonito, Rangel!
Vivemos, todos nós, sentimentos
desagradáveis, que precisamos
compreender assim..."é da minha vida."

Abraço carinhoso.

Sonia Schmorantz disse...

Gosto muito dos poemas que escreves!
um abraço, ótimo domingo

Vivianne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vivianne disse...

A "restância" sempre traz o incômodo do término, do perdido, do transformado... lindo seus versos. Obrigada por iluminar minha noite d esegunda feira.

Sílvia disse...

adoro poesia, e este poema dá que pensar...
gostei :)

Luh disse...

"[...]De todos aqueles momentos,
incômodos,
restou este vazio eterno
em que se transformou a minha vida!"
Amei o poema. Foi profundo. As vezes nos sentimos assim...como se o vazio da nossa vida não coubesse nas palvras que tentam descrevê-lo.

armalu disse...

Ler-te sempre gostei, agora estou amando, me parece que vou ficar o noite toda, amanhã é que vai ser o Deus nos acuda,

armalu disse...

Ler-te sempre gostei, agora estou amando, me parece que vou ficar o noite toda, amanhã é que vai ser o Deus nos acuda,