domingo, 30 de novembro de 2014

Brilho



Como não sentir
no ar, não ouvir alto e
bom som,
novos tempos sufocando 
o cansaço, a
rotina de maus
presságios e da enorme
mentira de todos
estes anos!

Brilha, ainda que aparentemente
tardio. o mais
lindo e prateado
luar
da minha história...



ilustração obtida no blog pmoraes.wordpress.com

2 comentários:

Ana Litoral disse...

Se brilha, não importa o mometo...

Lindo poema.

Beijo

Graça Pires disse...

Sente-se esse exílio no cansaço. Mas canta-se a esperança de olhos incendiados...
Beijo.