sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Chove outra vez


Diga-me, pai
onde mora e como vive
o fracasso?
Será ele inseparável
companheiro meu?
Ou meu mestre, meu
tutor?
Quando parece afastar-se de mim,
vem o sol, o
falso sol
e coloca tudo em seus devidos
lugares...
Temporal,
a levar uma lágrima
a mais,
mais uma vez...

Diga-me, pai!



ilustração obtida no G1.Globo.com

3 comentários:

Nádia Santos disse...

Por vezes parece que tudo em nosso redor desmorona... desde que não nos deixe a fé que é a luz precisamos para encontrar forças para não desistir. Um abraço e bom final de semana.

Valéria disse...

Meu amigo, a vida é assim mesmo... risos e lágrimas.
Gostei de como escreveu isso.
Mas, penso assim tb:
"Quando tá escuro e ninguém te ouve
Quando chega a noite e você pode chorar
Há uma luz no túnel dos desesperados
Há um cais no porto pra quem precisa chegar
Tô na lanterna dos afogados
Tô te esperando, vê se não vai demorar"
É assim...
Adoro vc! Pra sempre, rs...
Valéria

Janice Adja disse...

A dor de um fracasso deve escorrer na face lavar e evaporar..
Palmas!!!!
Beijos!!!