sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Olhares


entre meus olhos e os teus,
profundo silêncio,
abismos
e tanta distância...
entre eles, brilho sincero,
de todos o mais sincero,
tempos de luzes e cores,
toques e cores...

não há distância, afinal!






ilustração: olhosdagua.blogger.com.br

7 comentários:

Ateliê Tribo de Judá disse...

Olá meu querido,
Existe algo mais bonito que o dizer de um olhar???
Assim cantava Tom Jobim:

"Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus
Já não pode esperar

Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus
Sem mais la ra ra ra

Pela luz dos olhos teus
Eu acho, meu amor, que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar..."

Ele cantava assim mas não dizia tão lindamente quanto você.
Beijos e bom final de semana.
Joelma

Valéria disse...

Poeta, os olhos, eles sim são cúmplices, refletem o amor e o ódio.
E não mentem, jamais!
Lindo, o seu "Olhares"!
Carinhosamente,
Valéria

Vivian disse...

...não há vazios e
distâncias quando
se tem os enlaces
com olhos da
alma!

smackssssss, poeta!

Nádia Santos disse...

à vezes a distância é apenas um detalhe. Um abraço Alfredo.

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

Ítalo do Valle disse...

Venho querendo preencher as distâncias de certos olhares também...

Lindos versos.

Um grande abraço!

Rovênia disse...

O olhar mostra-nos. Tenho medo de quem não olha nos olhos. Esconde-se. Bom encontrar o seu blog. Gostei muito. Abraços!