sábado, 2 de abril de 2016

O GRITO - RENATA PALLOTTINI




Se ao menos essa dor servisse
se ela batesse nas paredes
abrisse portas
falasse
se ela cantasse e despenteasse cabelos

Se ao menos essa dor me visse
se ela saltasse para a garganta como um grito
caísse da janela fizesse barulho
morresse

Se a dor fosse um pedaço de pão duro
que a gente pudesse engolir com força
depois cuspir a saliva fora
sujar a rua, os carros, o espaço, o outro
esse outro escuro que passa indiferente
e que não sofre tem o direito de não sofrer

Se a dor fosse só a carne do dedo
que se esfrega na parede de pedra
para doer doer doer visível
doer penalizante
doer com lágrimas

Se ao menos essa dor sangrasse



2 comentários:

Graça Pires disse...

A dor pode ser um grito mudo que sangra na alma e não se denuncia e fica trancada na própria dor... "Se ao menos essa dor sangrasse"...
Maravilhoso este poema, meu amigo.
Beijo.

{W_[amar yasmine]} disse...

Querido amigo AR!

Belíssimo poema
Obrigada por compartilhar.
Beijo, meu amigo!

{W_[amar yasmine]}