sábado, 16 de abril de 2011

Navegante



Exílio voluntário, navego
em noites tenebrosas, turbulentas,
buscando portos,
fugindo de vidas passadas.
Olho para estas velas
armadas, tão brancas,
como se delas dependesse
esta fuga,
o nunca retornar
E, sempre assim,
cercado de negros oceanos,
na minha solidão,
sei que nunca ando só!

Ilustração: Reflexos, 1921, Alberto Carneiro (1872-1930)

16 comentários:

Anne M. Moor disse...

Com certeza não andas só...

Que lindo poema e maravilhos imagem a acompanhá-lo!

Beijos

Gisa disse...

A certeza de nunca andar só acalanta a solidão
Um bj querido amigo

Andreza disse...

...talvez ande só...
mas tenha a certeza que em pensamento multidão te acompanha...estou entre elas...
bjks doce ♥

Graça Pereira disse...

Meu Amigo
Uma poesia que me encantou. Os navegantes, nunca estão só...
Beijo
Graça

Franco disse...

A ilustração é belíssima,a poesia também.
Beijos

MM - Lisboa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MM - Lisboa disse...

Quando temos este tanto, que se vê nos teus poemas, dentro de nós,nunca estamos sós!

Kátia Tourinho disse...

Oi Alfredo. Gostei muito de seu blog e já sou seguidora. Amo poesia!
Obrigada pela visita.
Bjs de luz

Catia Bosso disse...

Olá Rangel!! Obrigada por sua visita em meu blog, Bem vindo sempre!!! E o que suaviza? Ah a suavidade!!! Vou responder em prosa e verso entao, no post de hoje! Me deu uma ideia... gostei muito de Navegar contigo nesta poesia...tambem fiquei a fugir de vidas passadas e a admirar as velas brancas da minha noite.... bj.

marlene edir severino disse...

Rangel,

Navegante nunca está só,sempre uma rota contida
nas estrelas,
no vento, na lua,
nas mensagens das garrafas atiradas ao mar...

Um abraço!

Marlene

armalu,blogspot.com disse...

Aquele abraço. Amigão. Os teus poemas me encantão.

Annie Manuela disse...

Amei o poema. Me identifiquei com ele. Simplesmente lindo.

Bjks.

Debora Mota disse...

Nesses exílios voluntários nascem poemas belíssimos. Se todos os exílios fossem assim, seria mais fácil suportá-los

Graça Pires disse...

A fuga. O nunca retornar. Como quem escolhe a solidão...
Um belo poema!
Beijos e uma Boa Páscoa.

Diego Schaun disse...

Gostei muito de teus escritos. Forte abraço. Boa tarde!

Diego Schaun
http://palcomp3.com/diegoschaun
http://diegoschaun.blogspot.com
Twitter: @diegoschaun

Anne M. Moor disse...

Rangel

Voltei aqui para te desejar uma páscoa feliz. Be happy!

beijão
Anne