domingo, 10 de abril de 2011

Velhos papéis

Velhas gavetas,
velhas lembranças...
Mais que amarelados papéis,
vida que já foi colorida,
vida passada!

Lágrimas, sorrisos, sonhos,
que o tempo foi destruindo.
Encerrados, mortos...
...passado.

Quem ainda há de lembrar,
quem sentirá,
na pele,
alegrias, tristezas,
memórias?

Velhos papéis,
velhas vidas!

Ilustração: t1.gstatic

15 comentários:

OceanoAzul.Sonhos disse...

Poeta, a vida é feita de lembranças, memórias, é a recordação que nos dá alento para continuar.
Abraço
oa.s

Maria selma disse...

Recordar o passado é uma forma de viver um presente já vivido....
AC Rangel,venho conhecer seu espaço,agradeço por me seguir,também estou a seguir...voltarei mais vezes ,gostei muito de seu poema....Boa tarde de domingo...

Chris... ჱܓ disse...

As lembranças, as recordações, taí algo tão nosso que ninguém nos tira...Elas são nossa vida. Uma pessoa sem lembranças não vive.

Simplesmente velhos tempos que não voltam, mas o importante é que deixaram saudade, foram especiais.
E ainda contribuíram para o nosso hoje.

Amigo Rangel, sempre tão saudoso nas tuas escritas e muito belas.
Saudade de ti.
Uma linda semana de muita paz e alegrias.
Bjos!

Gisa disse...

Apesar de velhos, resistem. Cabe a nós querermos encará-los ou não.
Um grande bj querido amigo

Valéria disse...

Poeta, papéis amarelos e pequenas lembranças... boas lembranças.
Vida.
com carinho
Valéria

MM - Lisboa disse...

Adoro remexer no passado!

Anne M. Moor disse...

Rangel

Vida nova! Velhos papeis e velhas vidas fazem parte de quem somos. Vida nova!

beijos
Anne

Ray* disse...

Gostei muito dos seus textos. Parabéns. Estou te seguindo. Boa semana

citacoesecia.blogspot.com/

Tania regina Contreiras disse...

Velhos papéis são as nossas histórias que esticaram-se na gaveta e lá têm vida própria!

Beijos

Shirley disse...

Isso acontece com todas as pessoas, Rangel. Mas, o bom é que as coisas ruins também passam. Beijo!

Mahria disse...

Vidas em velhos papéis...
Vim matar a saudade, voltei morrendo.


Bjs
Mah

Debora Mota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Debora Mota disse...

A vida que ficou nos papéis
guardados amarelos em gavetas
recomeça a cada leitura
de ingênuos meninos inexperientes

Seu belo poema inspirou-me uma resposta. Também em poema, claro. Dedico-te meu poema "Velhos Papéis". Vou postá-lo amanhã. Dia 13/04

Cria disse...

Sempre bom te ler !

tecas disse...

Recordar o passado, poeta Rangel, é viver.
É encontrar força para continuar.
Embora o tempo não volte para trás,a recordação mantem-nos vivos...o seu excelente poema, assim o mostra.
Bfs.
Saudações poéticas.