terça-feira, 12 de março de 2013

Da vida, resta!


Do silêncio que tanto se fala,
pouco se compreende ou
se evita.
Sempre para ele e seu santuário
se caminha, 
como réu condenado à morte,
como a forma mais eloquente de se
pronunciar culpado,
de não se pedir clemência.
Cumpra-se a pena...

Apenas!




ilustração obtida no noticiageral.com

3 comentários:

intervalo disse...

Rangel,vou cumprindo a pena com uma única certeza pouco sei sobre o silêncio necessário e caminho em busca!Profundas palavras em poesia,gostei muito,ótima reflexão.

beijo.Lia...

Poliana Rios disse...

Vida...

Do silêncio, não raras vezes, extraimos as mais belas palavras, conjecturas, pensamentos...
O calar-se é para os fortes.

Beijo
Maluquinha

Poliana Rios disse...
Este comentário foi removido pelo autor.