quarta-feira, 28 de maio de 2014

Cristalina


"a poesia se faz espontânea,
mina d'água natural,
fresca e saborosa,
mata a sede do sedento,
preenche históricas lacunas,
flui como sangue nas veias...

...ou não é poesia!"






ilustração obtida no ultradownloads.com.br

4 comentários:

Lu Nogfer disse...

Verdade...

Beijo!

Valéria disse...

Verdade...
E tem que tocar a alma e os sentidos de quem as lê.

Graça Pires disse...

A poesia é como uma absolvição das nossas fragilidades e fonte para a nossa sede. Gostei do seu poema.
Abraço.

Ateliê Tribo de Judá disse...


Como sempre lindos pensamentos do ser maravilhoso que é você.

Privilegiados são os que tem sede e conseguem enxergar e desfrutar dessa fonte inesgotável , sábios os que sabem preservar os prazeres da alma.
Beijos
Joelma