domingo, 4 de dezembro de 2011

Marés


São assim mesmo
as marés.
Sempre foram.
Previsíveis, mas
arrasadoras,
algumas.

Como as mulheres
essenciais!



ilustração: t0.gstatic

10 comentários:

Gisa disse...

Bom ser mulher e ouvir isso.
Um grande bj querido amigo

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Ainda bem, que há quem diga,
poeticamente....

Beijo

Célia disse...

Previsíveis ou não... Arrasadoras sempre que ao nosso lado há um HOMEM! Minha porção feminina, amou o poema! Abraço, Célia

Soraya Chaude disse...

Lindo o teu poema Fred! mas nem sempre verdadeiro, as mulheres por vezes fazem-se arrasasdoras porque precisam de carinho.

Anne disse...

Rangel

Adorei esse jogo de palavras! Belíssimo poema e a comparação interessante :-)

beijão
Anne

AC Rangel disse...

Soraya, obrigado pelo comentário e pela atenção. Quis dizer exatamente isto. As mulheres imprevisíveis, que como marés imprevisíveis agitam nossas vidas, são as essenciais, as que tomam conta de nossas vidas. Consequentemente, as que exigem todo o nosso carinho e atenção. Tolo do homem que não se der conta disto...

Eloah disse...

Querido que lindo! Felizes somos nós mulheres que chegamos como marés imprevisíveis e agitamos nossa vida e do homem desejado.
Minha sensibilidade amou teu poema e a verdade impressa nela.Bjs no coração.Eloah

Solange disse...

assim como as marés,
algumas palavras são arrasadoras..
ao ouvi-las,
uma lágrima salga a minha boca..

bjs.Sol

(saudade de vc no parole)

Lícia Dalcin disse...

Mulheres essenciais. Essencialmente insanas, em substâncias inimagináveis de si mesmas. Posso te assegurar que elas não se suspeitam. Ao menos fosse dado a elas o dom de espreitar-se...mas passam ao largo de si. E erram pelo mundo com e em todos os sentidos.

maria alice mansur disse...

QUE BELEZA DE POEMAS