sábado, 19 de junho de 2010

De que vale teu silêncio


E você fala de duras realidades,
duras palavras,
amargas memórias.
E empilha, acomoda,
velhas lembranças,
descoloridas,
doídas...

E de que vale te silenciar,
se as memórias cicatrizadas
não se apagam e,
mesmo sem tua voz,
persistem em
machucar...

ilustração: junkievilipendiados

6 comentários:

Nanda Assis disse...

dificil estar nessa situação ne.

bjosss...


.
....... , . - . - , _ , .......
....... ) ` - . .> ' `( .......
...... / . . . .`\ . . \ ........
...... |. . . . . |. . .| ........
....... \ . . . ./ . ./ .........
......... `=(\ /.=` .........
........... `-;`.-' ............
........... `)| ... , ........
.............. || _.-'| ........
........... ,_|| \_,/ ........
..... , ..... \|| .' .............
..... |\ |\ ,. ||/ .............
.. ,..\` | /|.,|Y\, ............
... '-...'-._..\||/ .............
....... >_.-`Y| ..............
............ ,_|| ...............
.............. \|| ...........
............... || ..........
............... || ...........
............... |/

Annie Manuela disse...

Amei o texto!!! O silêncio as vezes quer dizer tantas coisas...

Bjks.

Anne M. Moor disse...

Rangel,

Pois é ...

Beijos
Anne

Vivian disse...

...enquanto agasalharmos
as memórias, jamais elas
silenciarão na cama dos
nossos sentimentos.

bj, poeta!

. disse...

As cicatrizes da memória residem no silêncio e são incomparavelmente mais profundas do que as da pele.

Belíssimo!!!

Beijo,
Ane

Tatiana disse...

é como se fosse um ferida, ora ela se fecha, ora ela sangra, basta a intensidade de quem a cutuca