terça-feira, 7 de junho de 2011

Pertinente


Desfaz-se o tempo,
como poeira na estrada e
não consigo imaginar,
sequer,
como sería a saudade,
se a palavra não existisse.


E como a luz do sol
se desmancha em
mistérios,
ainda espero
e morrerei esperando...
... se preciso for!




Ilustração- data : image

10 comentários:

OceanoAzul.Sonhos disse...

A palavra jamais se desfaz, ela cria recordação e escreve poesia.
Lindo o seu poema, parabéns.
abraço
oa.s

Marcia disse...

ah,eu gosto muito te ler poeta beijos!

Patrícia ♥ disse...

Tem selinho pra vc no meu Blog (:

Beijoos!!

http://pathyoliver.blogspot.com/2011/06/selinho-comemorativo-400-seguidores.html

Mari Amorim disse...

Há uma força muito grande nas palavras!
Boas energias,sempre!
Mari

Gustavo Paes disse...

um poema tão belo quanto um entardecer...

abraço

poesiaainda.blogspot.com

Franco disse...

oi!
Se a palavra não existisse,um
poeta inventaria uma.
Bela Poesia.

Um beijo.

Confesso disse...

Espere alguém me disse...
Eu... Espero.
Sempre, para sempre...

Beijo

Cafundó disse...

Essa espera é sagrada, poeta!

Thiago Almeida disse...

O tempo. Tema que me deixa com os olhos e a boca d'àgua.

crisviana disse...

Parabens meu amigo poeta;;;
é muito bom te ler.