sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Vontade de ser eu

Morre,
em mim, o sonhador contumaz,
o delírio, a febre
e tudo o que me levou a voar!

Morre,
além do dia morno, suarento,
o brilho deste sol
inclemente, fogo diário!

Morre,
lentamente, toda forma de amor
e o mais estranho de todos,
naufragado nesta onda de mar.

Só não morre esta teimosa agonia,
esta desumana insistência,
esta vontade de ser, sempre,
eu!


Ilustração: varoeslabaredas

18 comentários:

Nanda Assis disse...

me sinto assim... amei.

bjosss...

Sonia Schmorantz disse...

Muito bonito!
Um abraço

Mline disse...

Belissímo poema...até mais.

Wanderley Elian Lima disse...

Muito bom Rangel, o que realmente não pode morrer é o "eu" de cada um de nós.
Bjs

Anne M. Moor disse...

A capacidade de amar e de desejar faz parte dessa "teimosa (...) vontade se ser, sempre, 'tu'"...

És poeta com uma carga imensa de amor pra dar e gerar. Jamais te faltará: nem o amor, nem o poetar, nem o brilho do sol!

Beijos
Anne

Valéria disse...

Rangel,
vontade de ser eu, estranho, sinto tanto essa necessidade ultimamente... vontade de ser eu.
Ser eu, buscando meus sonhos, minhas aventuras, meus desejos... minhas guerras...
Incrível, já disse isso outras vezes, parece que me conheces poeta, ou conheces a alma humana?
Bjos no seu coração,
Valéria

Confesso disse...

Doce Rangel...

Morremos um pouco todos os dias é o ciclo vital, entretanto poetas como vc semeiam e tecem palavras jamais esquecidas; são IMORTAIS...


Beijos confessos...

Sereia disse...

Teu blog tem uma generosidade de encantar o coração humano numa delicadeza extraordinária...
Eu,mulher extremamente apaixonada detectei num primeiro instânte uma suavidade incontestável...
Parabénsssssssssss
Abraços

Alma inquieta disse...

Olá Rangel!

Lindo o poema..., mas regressou o desalento...???

Um beijo.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Só não morre esta teimosa agonia,
esta desumana insistência,
esta vontade de ser, sempre,
eu!

É exatamente esse o ponto que mais valorizo no ser humano.

Belo poema Rangel. Uma bela lição.

Abraços e ótimo domingo.

Furtado.

Bahzinha @ disse...

O "eu" de cada um de nos permanece sempre vivo apesar de tudo :)

Bjinhoos*

Graça Pereira disse...

È na tenacidade e na crença, como a tua ,que se continua a ser "Eu" cantando e dançando a vida, com uma capacidade de ser luz na própria
escuridão. Lindo este poema.
Um beijo grande.
Graça

LomiAyurveda disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
LomiAyurveda disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lu Nogfer disse...

...Ja que nao morre esta vontade de ser voce, esta a salvo.Lembre se:esta vivo.Nao deixe morrer o que te move...
Nao deixe morrer lentamente os bons sentimentos!Isso é o que te leva a sonhar e a voar...
Isto o que mantem o prazer de viver...
O resto, sao aceitaveis e meros detalhes da vida!

Curto estar aqui.

Beijos Rangel.

Adrielly Soares disse...

lindo.
mas o que não naufraga em mim é sempre o amor.

Giovani Pasini disse...

Olá!
Parabéns pelo seu blog!
Gostei dos textos!
A organização, como um todo, está muito boa!

Estou passando para divulgar o meu blog:
http://giovanipasini-educacao.blogspot.com/

Falo sobre cultura e educação.
Se quiser prestigiar!

Grande abraço.
A partir de hoje sou seu seguidor...

iracema forte caingang disse...

Não morre naaão!
Amei muito esse poema.
Beijão.