sábado, 29 de outubro de 2011

Eu, paisagem...


Ser, desta tarde tão quente,
apenas paisagem...
Quisera!
Sem impedir sua passagem,
sem impedir seu calor.


ilustração: autor - manucardoso

11 comentários:

Célia disse...

Anularmo-nos em uma paisagem da vida... e apenas observarmos... é uma das sabedorias da vida!
Abraço, Célia.

Anne M. Moor disse...

Lindíssimo poema, mas nem sempre pode ser como gostaríamos, nénão?

bjs e bom final de semana
Anne

Franco disse...

Anne tem razão,nem sempre pode ser como gostaríamos.
Bela poesia!
Bjs.

marlene edir severino disse...

Calar é importante
para ouvirmos o que nos fala
o silêncio

Abraço!

Gisa disse...

Apenas observar.
Um grande bj

Artes e escritas disse...

Não podemos ser paisagem, somos participantes. Um abraço, Yayá.

Vivian disse...

...para quantos olhares
somos paisagens?

bjokas, querido!

saudade docê, moço!

Eloah disse...

Quem sabe, no momento, ser paisagem é o caminho para a reflexão, e o princípio de um novo e alvissareiro sonho.Lindo domingo! Bjs Eloah

Sonia Pallone disse...

Lindo, Rangel!!! Sensibilidade e emoção, caminhando juntas por aqui...Beijos e obrigada pelas palavras no email...Considerei como elogio sim!..rsrsr Te sigo tá?

Graça Pereira disse...

Saudades de vir aqui...ando um pouco desfazada dos blogs, sem tempo, por causa do voluntariado mas...vou tentar equilibrar melhor os meus dias e ser paisagem como tu, numa tarde quente de verão!
Bjs e bom fds.
Graça

varandasazuis (ania n. lepp) disse...

De uma sensibilidade que cala fundo, parabéns...