domingo, 6 de novembro de 2011

Renovação


As janelas,
de correrem para as laterais,
foram completamente abertas
e o ar da tarde
invadiu o ambiente da casa
e,
embora um tanto quente,
trouxe nova vida ao quarto,
onde estava recluso.

Era como se os dias atuais,
sem serem perfeitos,
afastavam os velhos tempos,
trazendo a renovação
e
todas as novas esperanças...


ilustração: t2.gstatic

7 comentários:

LadySiri disse...

Um domingo iluminado pra ti, lindo poeta!

Beijos

Bárbara Queiroz disse...

Que belo poema!

Saudações, ilustre poeta!

Anne M. Moor disse...

Deixo os ventos entrarem meu querido poeta...

Vento

vento que te quero
varredor de teias
da minha vida!

vento que te quero
dedilhando meu cabelo
em rajadas intensas!

vento que te quero
escancarando meus olhos
para fitar longe!

vento que te quero
companheiro, parceiro
de horas de mim!

bj cheio de vento :-)

Anne

Anne M. Moor disse...

Oooooooooops, onde se lê 'deixo', leia-se 'deixa'... :-)

Solange disse...

que bom...fico feliz por vc!!

bjs.Sol

Célia disse...

Renovar-se com a ajuda da natureza é uma bênção recebida!
Abraço, Célia.

Lícia Dalcin disse...

O sol invade nossas "horas e eras". Entretanto, atentemo-nos ao que é RENOVAR. A renovação não se limita à mudança superficial e constante dos dias de hoje:a famigerada e sensaborona "inovação". Que bom que o sol só sabe renovar, como o rio de Heráclito.

Bj

Lícia