domingo, 1 de abril de 2012

Desenganos



Fala de angústias
como se fosse de uma viagem,
como se fosse de um destino.
Fala de mágoas,
de desenganos e
de vazio.
Fala também de silêncios...
Como se fosse eu!




ilustração retirada do "blogdobelmontense"

9 comentários:

Célia Rangel disse...

Do silêncio brotam vazios férteis preenchedores dos sofrimentos - passagem da vida.
Abraço, Célia.

*Bela Poeta disse...

Os sentimentos as vezes tornam-se doces opressores, presentes ditadores e saber lidar como eles é o que nos torna donos e não escravos de nossas próprias adversidades.

Franco disse...

Oi!
Escolheu bem a imagem,uma velha porteira,abandonada ao longo da estrada.É uma bela foto para um lindo verso.
Um beijo!!

Anne disse...

Lindo poema Rangel!

bjinhos
Anne

marlene edir severino disse...

De solidões e silêncios
a linguagem se assemelha

abraço

Anne disse...

rsrsrsrsrs Será? Poderia ser um mundo de gente. Angústia, mágoa e silêncio estão nas vidas de tanta gente...

Valéria disse...

Solidão, poeta?
Saudades de vc.
Valéria

Zezinha Lins disse...

Que lindo!!

Que bom voltar aqui depois de tanto tempo afastada.
Um abraço!

Anna Amorim disse...

A palavra que atravessa o silêncio e ecoa do outro lado!

Beijos,

Anna Amorim