terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Cartas marcadas



Parecia cansado.
Da vida, talvez! Dos jogos
de azar, que teimava em
perder. Vencido...
Das mulheres, amores.
Aquelas mulheres! Vícios.
Cartas marcadas, mão infeliz,
insistia teimoso.
Azar no jogo, azar no amor,
contrariando dito de viciados.

Cartas marcadas, mulheres também.
Mãos ruins, cartas ruins, mulheres.
Um dia chega minha sorte, dizia.
Pra que insistir?!!!


ilustração retirada do site imagens.usp.br

7 comentários:

Ateliê Tribo de Judá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Chapéu de sol disse...

Gostei do poema.

HS

Poliana Rios disse...


Vida...

A insistência é minha...
Parecia, talvez? Não!
Prefiro o "é" e o "sempre".

Beijo
Maluquinha

Janice Adja disse...

Mãos ruins, cartas ruins, . . mulheres ruins?

LauraAlberto disse...

é um jogo
e as regras vão mudando, sempre

ganhar? às vezes é impossível

beijinho

Anne M. Moor disse...

Por que a esperança é a última que morre!

Anne M. Moor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.