segunda-feira, 27 de abril de 2009

Escuridão

Escuridão

E este vazio que sinto dentro do peito,
este amargor, assombrosamente vivo,
que faz os dias, a vida parecer inútil, não
vai terminar nunca mais?
Os dias plenos de luz, de um sol tão
implacável, alto verão, tardarão tanto
a voltar que não compensa a espera?
Os velhos fantasmas e sinistras sombras,
minhas fiéis companheiras, hão de me seguir,
de me acompanhar para sempre?
Esponho minh’alma, tristonho,
desisto tão cedo do sonho,
cansado de tanto esperar...

Foto:
http://updateordie.com/files/2008/09/escuridao1.jpg

19 comentários:

Anne M. Moor disse...

Poema que vai láaaaaaaaaaaaaaaaa no fundo... Magnífico!

Mas não entrega os pontos não!!!!!
A imagem lindaaaaaaaaaaaaa... Mas não deixa apagar essa vela não!

Beijos

Jac. disse...

Mas você é tão bonito com
essa alma densa. Tem tanta
poesia e sensibilidade!
Os dias luminosos, o tempo
de plena luz irão chegar!

O 'sempre' não existe!

Beijos, querido!

rouxinol de Bernardim disse...

Você está com o astral ascendente, não atire a toalha ao chão porque a vida é uma escalada permanente rumo à felicidade!

Cristiano Melo disse...

Caro Rangel,
Que poema sufocante.
Identifiquei-me com ele, o tempo é algo que nos prende se não ficarmos atentos.
abraços

DIFERENTE disse...

Caro amigo brasileiro, será que você conseguiria viver com essa luz ou esse verão que fala? Não será esse estado de espírito em que se encontra que lhe trará a força necessária para tocar a sua vida para a frente?

ASS: DIFERENTE

A garota do copo d'gua disse...

dont give up :]
uma alma tão sensivel e intensa que ainda nem sabe a força que tem...

tenha uma boa semana,os dias são melhores por virem uns após os outros.
O tempo...

:*

Marisa Pimenta disse...

Olá Rangel te conheci através do bolg do Eduardo, mas gostei demais de tuas poesias. Lindo demais este poema. Infelizmente, as velas se apagam, mas às vezes demoram!
Apareça. Bjs

Pils disse...

Essa melancolia q o eu lirico expressa é bem comum, imagino q ñ comunga deste sentimento....É mto bom ler seus textos... vai de encontro a alma...e de certa forma nos revela a nós mesmos...bjs

Vivian disse...

...desistir dos sonhos
é abdicar da vida.
e isso não cabe em almas
de poesia, assim como é
a tua.

afaste esta escuridão,
trazendo para dentro do peito,
o brilho da estrela que pousa
em teu céu em cada anoitecer.

um beijo, poeta de alma linda!

Suzana disse...

...Esponho minh’alma, tristonho,
desisto tão cedo do sonho,
cansado de tanto esperar...


Certamente são versos que espero serem de pura inspiração e não vivencial!
Amei, lindo!
bjs

Joao P. disse...

Excelente poema

Parabéns

O mar me encanta completamente... disse...

Busca dizeres e busca saberes
numa sede inaudita que partilhas conosco e me deslumbra...
Mas é certo que a "Escuridão"
pode durar, mas a luz virá,
com certeza.

Beijinho, Rangel.

A.Tapadinhas disse...

Pronto! Com tantos amigos, a escuridão já deve ter sido banida pela luz do amor...
A minha curiosidade trouxe-me até aqui... vou ficar, até me mandar embora!
Abraço.
António

poliana disse...

Poeta...

Sempre há calor...Verão...
Logo alí bem perto te aguarda uma existência bem distante da apatia...
Desistir nunca...

Beijo...ma

Ana disse...

Agradeço sua visita no meu simples cantinho.Lindo o seu blog, intenso cheio de emoção.Estarei sempre aqui,parabéns e um grande beijo da sua nova amiga Ana.

Renata de Aragão Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renata de Aragão Lopes disse...

E quem ainda não experimentou essa escuridão? Esse vazio de que falou, infelizmente, é a sensação que mais nos persegue na atualidade. E haja força de vontade para vencê-la!

Obrigada, Rangel, por cadastrar-se em meu blog. Ter seguidores é um grande estímulo pra que continue. Um abraço.

E o pensamento voa... disse...

Caro Rangel,

Teu poema é belíssimo!
Sabes que sou fã do teu blog e dos teus escritos!Todos muito lindos!

Jamais desista dos teus sonhos! De coração, amigo!

abraço cheio de ânimo!

Neli

Jusceli disse...

Poema muito sensivél,
lindo...
bjus