terça-feira, 21 de abril de 2009

Socorro!


Socorro!

O calor que brota do chão
neste deserto em que se transformaram
meus dias, afeta meus mais
naturais movimentos, igualando-me
a qualquer destes répteis que piso.

Como o deles, meu raciocínio
torna-se lento e não consigo mais
distinguir os movimentos que,
por todo o dia, ocorrem ao meu redor,
tornando-me presa fácil dos meus temores.

Somente uma inimaginável chuva,
vinda literalmente do céu
prolongaria meus dias, me daria sobrevida.
Sem esta improvável chuva,
meus dias estão contados e
meu amor, por um fio!

24 comentários:

Palma da Mão disse...

Rangel, está lindo, mas triste, e nunca nada está por um fio, até conseguir-mos caminhar sobre ele sem cair, e não interessa a forma como caímos, interessa a força do passo seguinte e a mão que te segura enquanto sacodes o pó das calças...ficou lindo!
Beijinhos
Liliana

Úrsula Avner disse...

caro poeta, bonita poesia onde a melancolia é melodiosa como o som da chuva que cai... Bjs com meu carinho.

Jac. disse...

Um deserto onde jorram palavras!
Essa fonte não seca, amigo.
Há sempre oásis no deserto do poeta!!

Muito carinho!

Flor da palavra disse...

Espero que o socorro tenha chegado!
Beijos

Valéria disse...

Rangel,
Não pude deixar de me manifestar,
o poema - triste, mto triste! Significativo...
sério, mto sério...
Estou sem palavras.
Abraços carinhosos de alguém que passa "por aqui" todos os dias.
Valéria

Anne M. Moor disse...

Rangel,
Esse calor que brota do chão é o combustível para uma vida nova... A chuva que pinga, pinga, só alimenta mais o desejo de dias mais longos...

Beijos literalmente inimagináveis :-)

Joao P. disse...

Rangel:

Venha a chuva pois

Belíssimo post

Abraço

João P.

A garota do copo d'gua disse...

Rangel, também me encantou o teu blog, e espero que me encante ainda mais pois voltarei sempre aqui!
postei um texto que acho que pode ser do teu agrado...

bom restinho de semana!
beijos amelísticos! :*

ellen disse...

Outro lindo!!! e fico sem palavras para descrever tanto sentimento implícito.

beijinho

sem dúvida que este Blog é interessante e vale a pena...
Se aceitar o meu MIMO passe no meu Blog 'os meus miminhos' e traga consigo o SELO - Blog INTERESSANTE e vale a PENA.

Vivian disse...

...deixo um beijo como chuva
de encanto ao poeta das dores
profundas...

smacksssssssssss

mvalleym disse...

espectacular,...enhorabuena por tu poesia ... tienes un blog impresionante, lleno de sensibilidad y arte
un saludo, Valle

Blondizìínhα disse...

intenso.. só sei descrevê-lo assim..

Retribuindo a visitinha
beijoos

nice disse...

Rangel, adoro poemas alegres, mas no momento em que estou passando, é exatametne o que eu estou precisando, de "socorro".
obrigada pelo cometário.
beijus...seu blog é ótimo.

João Ferreira disse...

Querido amigo,

Dizem que os poetas só escrevem bem quando sofre, e eu acredito. Todavia, percebo tua alma (ou alma tua) passando por grande tristeza.
Que a força venha como chuva.

Forte abraço,

João

Avassaladora disse...

Intrigante seu poema...
Mas que venha a chuava...

Beijos!

Darlene ^♥^ disse...

Nossa Ragel fiquei muito feliz
pela sua visitinha e seu comentario.

fiquei encantada comsu bolg.

parabéns.belissimas
imagens...bjuxxx...

Marco Sistinne disse...

Olá Rangel, parabéns pelas poesias e palavras de siluetas bem definidas, gostei bastante dos seus escritos,e que a chuva se aparente com o poema esperança de Quintana.

Abraços Literários
Marco Sistinne

Efigênia Coutinho disse...

O calor que brota do chão
neste deserto em que se transformaram
meus dias, afeta meus mais
naturais movimentos, igualando-me
a qualquer destes répteis que piso.

AC Rangel , que versos profundos, a alma se afundou dentro de você.
Meus PARABÉNS
Efigênia Coutinho

Poseidón disse...

OLA Rangel

Muito bonito, triste pero escribes y lo dices muy bien.

Bonita poesia, un tanto melancolica..
Un sentir y decir muy especial
meus parabens!

saludos

Brunella França disse...

Ah, quando alguma coisa seca em nós, dói. E ansiamos muito por essa chuva interna.
Espero que cheguem logo as nuvens de que precisas, amigo!

Beijos e borboleteios

Márcia Justiniano disse...

Deserto! Como?
Vives rodeado por palavras
De emoções e sentimentos
Palavras que são como chuvas
Em cada minuto, segundo
Da sua vida
Que sempre transmitem
O calor do deserto
E o frescor da chuva
Una os dois e jamais
Perderá o seu amor!

Beijo

Fabricante de Sonhos disse...

Caro Rangel,
É lindo o seu poetar... De uma ternura fria... Mas que adoça a quem te lê!

Meu desejo é essa chuva caia! Caia forte e corrente... Apenas para que você possa viver... Dessa chuva de criatividade.

Bom final de semana, meu poeta!

Beijo meu...

Fabricante...

vida cotidiana disse...

Triste! lindo! Fascinante!
Poder trazer a chuva um pouco do amar!!!!

Christi... disse...

Olá, lindíssimo seu poema, quanta sensibilidade em letras e sentimentos.
Ás vezes há tristeza eminente em alguns versos, mas o pedido de socorro é sofrido e de alma, se faz belo em Alma Tua.

Vi que me acompanha, obrigada pelo carinho

Chris