sábado, 18 de outubro de 2008

Exatamente igual




Exatamente igual



Não sou como o equilibrista do circo que,
com a maior facilidade,
anda no arame como se
no chão estivesse.
Não sou como a água que,
naturalmente se acomoda a
qualquer recipiente
assumindo-lhe exatamente a forma.
Não sou como o carvalho gigante que,
apesar do tamanho,
parece tão calmo, tão tranquilo
e que do seu lugar não arreda pé
por nada.


Sou exatamente como o vidro que,
ao menor choque,
se parte, quebra, se desmancha.
Sou exatamente como o pó que,
ao menor sinal de brisa,
se desfaz no ar.
Sou exatamente igual à
água da chuva que,
terminada a tempestade,
se infiltra pelo chão
e desaparece.


Sou apenas
gente
que, sempre que é maltratada,
sofre e chora...


Foto: http://www.presentepravoce.wordpress.com

Um comentário:

armalu disse...

Não te imagino instavel. mas doce amavel sereno... por isso eu tenho chorado...