quinta-feira, 12 de março de 2009

Albano Martins

Poema para habitar
(Albano Martins - Poeta português)

A casa desabitada que nós somos
pede que a venham habitar,
que lhe abram as portas e as janelas
e deixem passar o vento pelos corredores.

Que lhe limpem os vidros da alma
e ponham a flutuar as cortinas do sangue
- até que uma aurora simples nos visite
com o seu corpo de sol desgrenhado e quente.

Até que uma flor de incêndio rompa
o solo das lágrimas carbonizadas e férteis
até que as palavras de pedra que arrancamos da língua
sejam aproveitadas para apedrejarmos a morte.


Foto: www.ligiafascioni.com.br

3 comentários:

O mar me encanta completamente... disse...

Que presente de poema hã!!
Lindo demais!!
Bela imagem tbm.
Só vim te ler e dizer “Boa noite”.
E quero dizer q não sei como foi seu dia.
Quais as decisões q vc precisou tomar, e quais foram adiadas.
Mas olha, todo dia é uma chance de mudar sua vida pro resto da vida...
p melhor ou não.
Pensa nisso ta ?
Dorme bem, q Papai do céu lhe abençoe!!
Meu carinho.

paula barros disse...

E nessa casa que somos
Possamos deixar entrar
A voz da paz
O sorriso do aconchego
A mão do carinho
Fazendo sorrir portas e janelas.

Achei um poema muito interessante, o jogo com as palavras. Belíssimo.
E você escolhe as imagens de muito bom gosto e adequadas ao tema.

beijo

Poliana disse...

Poeta...

É preciso que alguém habite essa casa, que a invada completamente com sua presença, seu cheiro, seu jeito...
Que faça mudanças, conquiste, marque território... E ao retirar as pedras , rompendo a flor, possa perceber que chegou em casa... Veio para ficar.

beijo..... m