domingo, 22 de março de 2009

Como no cinema

Como no cinema

Ao menos ter o direito de criar imagens,
simular gestos, disfarçar a realidade,
não pode me ser negado...

Viver aqueles doces momentos,
cinematográficos, exaustivamente
ensaiados e interpretados,
desta vez com paixão...

Explosão de realidade,
sem medo de ver, a seguir,
o estúdio vazio, a faina encerrada
e meu peito partido...

Doce ilusão.
Repetida e doce ilusão!

7 comentários:

Rosemildo Sales Furtado disse...

É Antonio! Nem sempre a história da vida real é igual a estória do cinema. Muitas vezes, as tristezas, frustrações e desencantos da vida real, repetem-se em bem maiores proporções no cinema. Portanto, é proseguir sem o medo da explosão da realidade e viver a doce ilusão.

Muito bom! Parabéns!

Abraços,

Furtado.

paula barros disse...

As vezes se pensa e se deseja com tanta força, com tanto querer, que devia ser vivido, na instensidade, na plenitude.

Volto a me repetir, o quanto sinto forte os seus poemas.

abraços, boa semana.

Valéria disse...

Rangel,
Bom seria se na vida tivessemos um script, passos e palavras certas. O momento exato de rir... de chorar... a palavra certa...
Mas não é assim...
Que venha a vida... sem script.
Boa semana!!!
Valéria

Anne M. Moor disse...

Rangel,
Poema do fundo do coração. Romântico e real ao mesmo tempo. Viva o hoje com intensidade. Viva a paixão entregando-se ao viver. Ilusão? Ilusão do que? Sinta simplesmente...

Beijos cinematrográficos :-)

Sônia Brandão disse...

A ilusão também é necessária. Ela nos faz cantar para nós mesmos.

Beijos e uma ótima semana.

Ana Hime. disse...

Disfarçar a realidade, uma coisa que eu realmente queria fazer.
Lindo.

paula barros disse...

Oi, Rangel

Mas olha quem vem me falar de inspiração. Você tem inspiração, domínio das palavras, exprime bem os sentimentos de forma a deixar quem ler sempre encantados.Você tece sentimentos, palavras, criatividade, com uma elegância sem igual.

Diz o escritor Raimundo Carrero que não acredita em inspiração. Que tudo está no inconsciente. Então talvez esteja a explicação das palavras que saem de mim, os amores vividos, os não vividos, os sonhados, os desejados, o que quero desejo viver intensamente.

um forte abraço