terça-feira, 19 de maio de 2009

Poente

Poente

Não conheço nada mais triste que o entardecer.
O sol, no poente, fugindo do céu, me lembra final.
E finais, para mim, são eternamente tristes.
O minguar do brilho do sol, o esvair do calor, o ocaso,
calam no meu peito como um pesado adeus...
Adeus que se repete no mesmo horário a cada dia,
a não ser que chova,
quando a dor é ainda maior...

9 comentários:

Márcia Corrêa disse...

Mas, que lindo por-de-sol esse. Tão lindo que anuncia que a tristeza, assim como o poente, tem tempo pra ser e depois desaparecer.

Anne M. Moor disse...

O por do sol é ele indo dormir para dar lugar à lua, nossa amiga... :-)

Beijos

Avassaladora disse...

Rangel, fiquei a imaginar o sol fugindo dom céu...
Imagém poética linda!
´/e realmente momento triste...

E vc passa muita tristeza com esse poema!

Lindo e triste!


Beijos e carinhos!

Tainha disse...

eu gosto dessa tristeza. A noite sempre toma o lugar do dia e assim sucessivamente o dia surge.
:)

A garota do copo d'gua disse...

me sinto muito bem quando vejo o por do sol, só pra fazer nascer a lua. :)

CARLA FABIANE... disse...

POETA...
DEIXO PARA VC, UM RECADINHO DO SOL...
ELE DISSE ASSIM:
EU EXISTO!
TE AQUEÇO...
TE TRAGO VIDA ...
AMOR E ALEGRIA...
BEIJOS ENSOLARADOS...

Palma da Mão disse...

Eu gosto do entardecer...sabe a vento...não sei, é misterioso...
Beijinhos
Liliana

gercicristal.blogspot.com disse...

passando rapidinho pra te desejar um alinda quarta. bjss

Igor Monteiro. disse...

Belas palavras,
gostei muito do escrito,
abraços fortes.
Fui...