quinta-feira, 18 de junho de 2009

Fantasmas


De repente, é como se todos aqueles corpos
tivessem sido exumados
e o cheiro e a podridão que exalaram
me purificassem de tantos pecados.

De repente, é como se aquele sangue
se exaurisse por um pequeno ralo,
me deixando totalmente livre do peso
deste arrastar de correntes.

De repente, é como se a morte chegasse
e silenciosamente, caprichosamente,
me concedesse o perdão!

8 comentários:

Naza Bispo disse...

Demais....d+....
as colocações,muito interesssante como sempre,adorei....
até chamei meu marido pra ler...parabéns

Nanda Assis disse...

uau. show de palavras, combinações e verdades pra certos.

bjosss...

Vivian disse...

...de repente eu me pego
aqui te lendo,
e tentando decifrar o
enígma deste teu sentir...

um beijo, lindo poeta!

Érica disse...

Os pecados é o que a vida nos dá de mais interessante. É o que é mutável, e que ensina melhor.
O perdão quem te dá é tua consciência, ela é tua redenção.
Beijos

Thiago Marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Marques disse...

é fantasmas realmente existem não só físicamente quanto em nossas mentes...parabéns
muito boa poesia

Paulo Braccini disse...

delírios retratados em versos de uma beleza ímpar ... lindo lindo

bjux

;-)

Úrsula Avner disse...

Grande sensibilidade poética Rangel. Um abraço.