quarta-feira, 24 de junho de 2009

Realidade


Resta no fundo dos meus olhos
um brilho de inverno,
escuro e frio,
inconformado e traiçoeiro.
Restam ainda
estes arrepios da pele que
me mantêm em alerta e
que não me deixam esquecer
que a vida,
semelhante a um penhasco,
termina sem perdão.

Foto: mambaiadventure

14 comentários:

Valéria disse...

Rangel,
Admiro sua versalidade, sua maneira única de escrever e passar sentimentos.
Vais do romântico e sexy aos nossos medos interiores com a leveza de uma pluma.
Gosto do que leio aqui!
Parabéns!
Valéria

gislane disse...

lindo!
bjos
obg plo coments...
sou fã de seus txts...

Efigênia Coutinho disse...

AC Rangel , ler seus versos hoje, eu me senti num templo poético, tal a grandeza da sua alma poética, parabéns,
Efigênia Coutinho
Escritora

Sônia Brandão disse...

Todo inverno é vencido pelo amor.
Beijo.

Vivian disse...

...prefiro pensar mo inverno
como uma gostosa estação
para o aconchego do calor
humano, curtindo a oportunidade
de trocarmos energias, todas
elas mantenedoras do
prazer...

saudades...

Anne M. Moor disse...

Rangel,
O brilho do inverno
há de reabastecer
a tua confiança.
O frio nos mantém
em alerta
sempre...

Beijos poeta!!

Sonia Schmorantz disse...

O alerta vem do medo, do medo da entrega...amar é como viver se equilibrando em beira de precipício, sempre um risco. O frio está lá fora,
mas o arrepio é a lembrança do medo.
Um abraço

Nanda Assis disse...

bonito triste e real. adoro poemas assim.

bjossss...

Érica disse...

Perfeito.
Sempre algo a dizer, algo que acrescenta... Sempre.
Um ótimo lugar esse teu blog.
Beijos

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui em visita ao seu blog!! Abraços!!!

Ana Lúcia disse...

Adorei, parabéns meu amigo e grande beijo.

I believe disse...

Boaaa***

Úrsula Avner disse...

Belo e profundo em expressão poética. Um abraço.

Lu Nogfer disse...

Quando o frio do inverno invadir teu corpo nao se confunda,consulte a alma tua...qm sabe os arrepios nao sao dos sentimentos,da emoçao,do coraçao...
Deixe-os aquecê-lo.