segunda-feira, 1 de junho de 2009

Inverno

Chove!
E chega o inverno,
mansa e decididamente.
A casa, de razoável conforto,
quase protege do frio
as cansadas almas que abriga.
O passar das noites,
horas de maior suplício,
faz-se mais doloroso a cada dia,
apesar da casa.
Mais rigoroso que o ar tão frio,
que os ventos tão assustadores,
é o silêncio gelado
que habita a casa
e que,
como se neve fosse,
congela ainda mais
aqueles corações.


6 comentários:

Vivian disse...

...procuro sentir o inverno
como oportunidade de aconchego,
onde em longos abraços,
podemos nos aproximar
de quem amamos, e assim
desfrutarmos do calor humano,
energia vital a todos os
corações.

bj, querido!

Anne M. Moor disse...

Inverno Rangel é como diz a Vivian um momento de aconchego...

Mas entendo essa tua comparação no poema, tão lindo, tão nostálgico. O frio nessa perspectiva é congelante!

Deixa o sol derreter a neve e o gelo dos corações e aquecer o silêncio que se faz...

Beijossssssssssssssss

Sônia Brandão disse...

O inverno interior é o que mais castiga. Mas sempre é poss´vel buscar agasalho.
Beijos.

Sonia Schmorantz disse...

Inverno é recolhimento, reflexão, hora de ativar aquele calor interno para compensar o frio lá fora...aliás, é preciso deixar frio sempre do outro lado da porta..
um abraço

gislane disse...

a única sensação que o inverno me causa é a de frio!( eu insensivel?!)
Prefiro o sol, calor,o verão sim me desrperta as mais variadas sensações!!!
bjos....
;)

Hellena disse...

Lindo o texto ... consegui me ver nessa casa, quase fria e silente ...
Bjssssss